Fonte: UOL

Não vou “trombar” com Onyx, diz futuro chefe da Secretaria de Governo

SECRETARIA DE GOVERNO – General-de-Divisão Carlos Alberto dos Santos Cruz, anunciado por Bolsonaro para assumir Secretaria de Governo Imagem: Logan Abassi/AFP/United Nations Photos

 

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, anunciou nesta segunda-feira (26) que o general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz vai assumir a Secretaria de Governo, que tem entre as suas atribuições a articulação política com o Congresso. Santos Cruz será o terceiro militar com posto relevante no Palácio do Planalto. O general é amigo de longa data de Bolsonaro – integrou sua equipe de pentatlo militar nos anos 1980 – e já exerceu papel de comandante das tropas de paz da ONU no Congo e no Haiti.

Em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo”, o general disse não ver problema em assumir esta função, acrescentando que “não irá trombar” com o futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que estava designado para a negociação entre governo e Congresso.

A escolha de Santos Cruz foi entendida como uma maneira de ajudar a introduzir no governo “uma nova forma de entendimento com os parlamentares”, conforme afirmou ao “Estado” um dos integrantes da equipe de Bolsonaro.

O presidente eleito tem dito que seu governo não vai adotar o chamado “toma lá, dá cá” na relação com os parlamentares. Essa ideia estaria casada com o modelo de escolha dos ministros “políticos” de Bolsonaro – o futuro governo, até o momento, tem ignorado os “caciques” dos partidos e buscado indicações nas chamadas “bancadas temáticas” do Congresso.

No entanto, ainda há dúvidas sobre as atribuições do general. A decisão de Bolsonaro causou agitação no entorno de Onyx, que está ameaçado de perder a coordenação de governo – responsabilidade hoje da Casa Civil – para o vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão. Uma das justificativas para isso era exatamente liberar Onyx para a articulação com os parlamentares.

Em várias oportunidades, o próprio Onyx já havia dito que a Secretaria de Governo seria incorporada pela Casa Civil. A secretaria atualmente possui status de ministério. Ao anunciar pelo Twitter a escolha de Santos Cruz, Bolsonaro não deixou claro se a pasta da articulação política manterá o padrão de ministério.

Santos Cruz disse que vai conversar com o presidente eleito após uma viagem marcada para Bangladesh. Por enquanto, lembrou que a Secretaria de Governo faz articulação não só com parlamentares, mas também com governadores, prefeitos e representações da sociedade civil.

Homem de total confiança de Bolsonaro, o general Santos Cruz, ao lado de Mourão e do general Augusto Heleno, já designado para o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), poderia ajudar a blindar o presidente eleito de possíveis problemas.

Para o líder do MDB na Câmara, deputado Baleia Rossi (SP), Santos Cruz tem um perfil conciliador. “Esse pessoal do Exército é muito preparado e faz política 24 horas por dia. A política interna no Exército é, às vezes, mais forte do que a nossa. Não vejo dificuldade (de negociar com um general), não. O perfil desse que foi escolhido é um negociador, parece que é um grande articulador. Eu não tenho contato pessoal com ele, mas achei um bom perfil”, disse.

Cotado para assumir o Ministério das Cidades, o líder do PRB na Câmara, deputado Celso Russomanno (SP), também elogiou o “nome técnico” para o cargo. Na avaliação do parlamentar, é melhor que um partido não seja privilegiado na escolha para este posto, mas, sim, que todos as legendas da base tenham acesso à Secretaria de Governo.

Ana Amélia

Embora Onyx tenha sido o primeiro ministro anunciado por Bolsonaro, interlocutores do presidente eleito avaliam que seria “impossível” ele reunir a coordenação de governo com a articulação com Congresso.

O futuro ministro também não tem trânsito no Senado e por isso mesmo quer levar para o Planalto um conjunto de ex-parlamentares influentes para ajudá-lo. Uma das ideias será levar a atual senadora Ana Amélia (PP-RS), que deixa o Congresso em fevereiro. Ela foi candidata a vice-presidente na chapa derrotada de Geraldo Alckmin (PSDB). As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s