Governo Bolsonaro: conheça os integrantes da equipe de transição comandada por Onyx Lorenzoni

Fonte: BBC

Onyx Lorenzoni (na foto, à esq.) e Eliseu Padilha caminham em corredor durante encontro onde discutiram transição de governos, em BrasíliaAFP
Onyx Lorenzoni (esq.) e Eliseu Padilha coordenam a transição de governo, em Brasília

O grupo responsável por fazer a transição entre os governos de Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro (PSL) terá dois ex-militares do Corpo de Bombeiros de Brasília, quatro pesquisadores ligados ao Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e diversos economistas, muitos deles com estudos em instituições estrangeiras, especialmente nos EUA. Por outro lado, o grupo de 27 integrantes não tem nenhuma mulher.

Dos 27 integrantes, 22 receberão salários pelo trabalho na equipe de transição; outros cinco, que já são servidores públicos, trabalharão voluntariamente. Os mais poderosos são também os mais bem remunerados: o general da reserva Augusto Heleno, futuro ministro da Defesa, o economista Paulo Guedes, futuro ministro da Economia, e o advogado e ex-presidente do PSL, Gustavo Bebbiano, receberão R$ 16.215,22 mensais cada. Fora os voluntários, os menos aquinhoados ganharão R$ 9,2 mil cada, por mês.

Os nomes foram divulgados em uma edição extra do Diário Oficial da União (DOU), publicada na tarde desta segunda-feira. Parte dos integrantes do grupo começou a trabalhar ontem mesmo, com uma reunião no Centro Cultural do Banco do Brasil, o CCBB, em Brasília. O grupo será coordenado pelo deputado federal reeleito Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que foi nomeado ontem ministro extraordinário.

Onyx também anunciou a criação de dez grupos técnicos para cuidar da transição em várias áreas. São eles os de Desenvolvimento Regional; Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações; Modernização do Estado; Economia e Comércio Exterior; Educação, Cultura e Esportes; Justiça, Segurança e Combate à Corrupção; Defesa; Infraestrutura; Produção Sustentável, Agricultura e Meio Ambiente; e Saúde e Assistência Social.

Em 2017, Onyx foi citado por um dos diretores da empresa JBS como beneficiário de recursos em caixa 2. O deputado já admitiu em entrevistas ter recebido o dinheiro sem declará-lo à Justiça Eleitoral. Até o momento, não há inquérito para investigar o caso.

Os profissionais que participarão da equipe são um grupo heterogêneo: há ambientalistas, especialistas em energia, um ex-colega de Jair Bolsonaro na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) e um pastor evangélico doutor em Teologia.

“Nós estamos naquela fase do ‘muito trabalho e pouca conversa’. Hoje (na segunda-feira), foi a primeira reunião dos primeiros grupos técnicos. Tivemos aqui, majoritariamente, os grupos de Infraestrutura e de Ciência e Tecnologia”, disse o ministro a jornalistas, depois de uma reunião com alguns técnicos e os futuros ministros Marcos Pontes e Augusto Heleno.

A partir desta terça-feira, os integrantes terão acesso ao sistema eletrônico que contém as informações da gestão atual.

Bolsonaro chegou a Brasília nesta terça-feira, e na quarta terá um encontro com o atual presidente, Michel Temer (MDB). Alguns anúncios sobre a equipe de transição serão feitos pelo presidente eleito.

Temer e BolsonaroAFP
Temer e Bolsonaro se encontrarão em Brasília para alinhar transição

Onyx disse ainda que a equipe deve ser ampliada até o fim da semana, e deve passar dos cinquenta nomes previstos inicialmente – este limite diz respeito somente aos que trabalharão recebendo salários.

A reportagem da BBC News Brasil será atualizada conforme novos nomes sejam oficializados. Conheça abaixo os integrantes da equipe de Bolsonaro até o momento:

1. Abraham Bragança de Vasconcellos Weintraub

Professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), é especialista em direito previdenciário e em finanças, além de executivo do mercado financeiro. Ele e o irmão Arthur participaram da formulação do programa de governo de Bolsonaro, na área de Previdência, na equipe do futuro “superministro” da Economia, Paulo Guedes.

2. Adolfo Sachsida

Atuará como voluntário na equipe de Bolsonaro, sem remuneração. Pesquisador do IPEA, é economista e doutor em economia pela Universidade de Brasília (UnB). Aproximou-se do presidente eleito antes mesmo do começo da campanha, em 2017, quando deu “aulas” de economia para Bolsonaro. Sachsida é também colunista do Instituto Liberal (IL), e politicamente próximo do movimento Escola Sem Partido, que milita contra a doutrinação de esquerda supostamente praticada por professores. Em 2016, no começo do governo Temer, chegou a ser convidado para trabalhar como assessor do ex-ministro da educação Mendonça Filho (DEM), mas a escolha gerou polêmica e acabou não se concretizando.

3. Alexandre Xavier Ywata de Carvalho

Ex-diretor de Estudos Regionais, Urbanos e Ambientais do Ipea, o economista tem mestrado em estatística pela Universidade de Brasília e doutorado na mesma área pela Northwestern University (EUA). Ele, que atua hoje no fundo de pensão dos servidores federais, é próximo de Sachsida.

4. Antônio Flávio Testa

Cientista político e professor aposentado da Universidade de Brasília (UnB). Fez mestrado e doutorado em sociologia pela mesma universidade, e foi professor de várias instituições de ensino brasileiras. Ligado aos generais Augusto Heleno e Oswaldo Ferreira, participa desde abril deste ano das reuniões de formulação do plano de governo de Bolsonaro.

5. Arthur Bragança de Vasconcellos Weintraub

Professor de Direito Previdenciário e Direito Atuarial na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Junto com seu irmão Abraham, atuou na formulação do programa de governo de Bolsonaro, na área de Previdência. É bacharel em Direito pela Universidade de São Paulo, a USP. Junto com o irmão, coordena o Centro de Estudos em Seguridade (CES), um think-tank da área de Previdência.

6. Augusto Heleno Ribeiro Pereira

É general da reserva do Exército e um dos principais nomes da equipe de Bolsonaro, indicado pelo presidente eleito como o próximo ministro da Defesa. Ontem, Heleno participou da 1ª reunião da equipe de transição, no Centro Cultural do Banco do Brasil. O futuro ministro foi o principal coordenador do grupo de acadêmicos e militares que se reunia em Brasília para formular as propostas do futuro governo. Enquanto esteve no Exército, foi o 1º comandante brasileiro na missão de estabilização do Haiti (2004-2005). Na reserva desde 2011, nunca deixou de expressar opiniões críticas aos governos do PT.

7. Bruno Castro de Carvalho

É uma das indicações do governo Temer para a equipe de transição. É o atual titular da Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) da Secretaria-Geral da Presidência. O PPI foi o programa de privatizações levado a cabo pelo atual governo. Doutor em Engenharia Civil pela Universidade de Brasília (UnB), já trabalhou no Ministério do Meio Ambiente.

Onyx LorenzoniAFP
Onyx Lorenzoni (DEM-RS) foi nomeado ministro extraordinário

8. Carlos Alexandre Jorge da Costa

Ligado a Paulo Guedes, é economista pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Foi diretor do BNDES durante o governo Temer, desde agosto de 2017. Fez mestrado na Universidade da Califórnia de Los Angeles (UCLA), nos EUA. Foi executivo também do banco JP Morgan. Foi um dos fundadores da faculdade Ibmec.

9. Carlos Von Doellinger

Economista pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é pesquisador aposentado do Ipea. Atualmente, trabalha como consultor na Macroanálise Consultoria. Ligado a Paulo Guedes, é um dos especialistas em Orçamento e contas públicas da equipe.

10. Eduardo Chaves Vieira

É coronel da reserva do Exército e graduado em Engenharia Química nos anos 1980 pelo Instituto Militar de Engenharia (IME). Conheceu Jair Bolsonaro na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em Resende (RJ) – formou na turma de 1975, e o presidente eleito, na turma de 1977. Trabalhará com temas de ciência e tecnologia na equipe de transição.

11. Gulliem (Julian) Lemos

Vice-presidente do PSL, o empresário Gulliem Charles Bezerra Lemos, conhecido como Julian, se elegeu deputado federal neste ano pela Paraíba e atuou na coordenação da campanha presidencial de Bolsonaro no Nordeste. Ele já respondeu a três processos ligados à Lei Maria da Penha, tendo sido acusado de agressão pela ex-mulher Ravena Coura em 2013 e em 2016 e pela irmã Kamila, em 2016. Meses depois do segundo registro, a ex pediu o arquivamento dos casos.

Também em 2016, a irmã de Lemos disse à polícia ter sido arrastada pelo pescoço por ele ao tentar separar uma briga do casal. Ele nega todas as acusações, que atribui à “fragilidade emocional” das familiares.

12. Gustavo Bebianno

Advogado, defendeu Bolsonaro num processo contra o presidente eleito no Supremo Tribunal Federal (STF), e tornou-se presidente interino do PSL durante o período de campanha. É considerado uma das pessoas mais próximas do presidente eleito. Nos últimos meses, era uma poucas pessoas ouvidas na formação da agenda de eventos de Bolsonaro; teria sido o responsável por convencer o então candidato a cancelar a “Cúpula Conservadora das Américas”, prevista para ocorrer em Foz do Iguaçu (PR), em julho deste ano.

13. Ismael Nobre

É biólogo pela Universidade Federal de São Carlos (UFSC), com doutorado na Colorado State University (EUA). Em 2014, concluiu uma pesquisa de pós-doutorado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), segundo seu currículo na plataforma Lattes. Nobre faz parte de um projeto chamado Terceira Via Amazônica, cujo objetivo é “atribuir valor econômico ao que a floresta possui (…). Os ativos biológicos terão grande valor no futuro. Muito maior que a carne e a soja, que, ainda por cima, ajudam a eliminar aquele bioma”, segundo explicou ele em entrevista recente.

14. Jonathas Assunção Salvador Nery de Castro

Servidor federal com experiência nas pastas de Planejamento e de Integração Nacional, o engenheiro foi responsável pela coordenação e pelo acompanhamento da implantação da integração do rio São Francisco. Integra a Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), da Secretaria-Geral da Presidência, com propostas de privatizações.

15. Luciano Irineu de Castro Filho

Engenheiro formado pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), fez mestrado e doutorado em economia matemática no Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa). É atualmente professor da Universidade de Iowa, onde estava antes de voltar ao País. Mais conhecido como Luciano Castro, é considerado o “guru” da área de energia do novo governo.

Na terça-feira, participou via Skype de um evento da Abraceel (Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia), explicando as propostas do novo governo para a área. “Mas o interessante foi o seguinte: todos notaram que as estantes de livros atrás dele já estavam vazias… Mais um sinal de que ele já tinha feito as malas para voltar pra cá (para o Brasil)”, disse à BBC News Brasil uma pessoa próxima à equipe de transição.

16. Luiz Blumm

Coronel da reserva do Corpo de Bombeiros de Brasília, fez parte do grupo de formuladores comandado pelo general Augusto Heleno. Trabalhará nas áreas de saúde e de educação. Desde março de 2017, é consultor comercial de uma empresa de produtos de vigilância eletrônica.

Homem lê jornal que mostra foto de BolsonaroReuters
Equipe de transição terá mais de 20 nomes

17. Marcos Aurélio Carvalho

É empresário e sócio da AM4 Brasil Inteligência Digital, empresa que atuou na campanha de Bolsonaro à Presidência da República. No momento, a empresa é investigada pela Polícia Federal e pelo Tribunal Superior Eleitoral, por supostas irregularidades no envio massivo de mensagens de WhatsApp para eleitores. As remessas de conteúdo teriam sido pagas por empresários pró-Bolsonaro, de forma não declarada.

Quando o caso foi divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo, os dados relativos às mensagens foram apagados. De acordo com informações oficiais prestadas por Bolsonaro à Justiça Eleitoral, a AM4 foi a maior fornecedora da campanha: recebeu R$ 650 mil para conduzir o trabalho pró-Bolsonaro na internet.

A empresa e a campanha negaram quaisquer irregularidades.

18. Marcos César Pontes

Tenente-coronel da reserva da Aeronáutica, tornou-se em 2006 o primeiro (e até agora único) brasileiro a estar no espaço. Dias atrás, foi confirmado por Bolsonaro como o futuro ministro da área de Ciência e Tecnologia do próximo governo. Nesta segunda-feira, Pontes participou de uma reunião com outros integrantes da equipe de transição.

Marcos PontesMarcelo Lelis / Agência Pará
Marcos Pontes (foto) é o futuro ministro da Ciência e Tecnologia

19. Marcos Cintra

Um dos conselheiros de Paulo Guedes na formulação do programa econômico de Bolsonaro, o economista e ex-deputado ganhou notoriedade nos anos 1990 com sua campanha pela simplificação tributária. Foi ameaçado de demissão pelo presidente eleito no mesmo dia da nomeação, após escrever artigo em que explica a proposta da criação de um tributo para todas as transações bancárias (a ideia remete à extinta a CPMF), que substituiria outros tributos federais. Bolsonaro criticou a postura de Cintra e disse que “a decisão que tomei, quem criticar qualquer um de nós publicamente eu corto a cabeça”.

20. Pablo Tatim

Mais uma indicação do atual governo para a equipe de transição. Tatim é o atual secretário-executivo, o número dois, da Secretaria-Geral da Presidência. Gaúcho, trabalhou para deputados do Rio Grande do Sul, como Giovani Cherini. Trabalhará na equipe de transição de forma voluntária.

21. Paulo Spencer Uebel

Advogado especialista em direito tributário. Foi executivo do grupo Lide, do ex-prefeito de São Paulo e governador eleito do Estado, João Doria Jr. (PSDB). Depois, trabalhou como secretário de Gestão da prefeitura, na passagem de Doria pelo cargo.

Foi ainda diretor-executivo do Instituto Millenium, um think-tank de orientação liberal. Conhecido apenas como Paulo Uebel, é uma indicação do grupo de formuladores econômicos de Bolsonaro, chefiado por Paulo Guedes. Na equipe do economista, trata de temas como redução do número de ministérios e desburocratização.

22. Paulo Roberto

É tenente-coronel do Corpo de Bombeiros de Brasília. Junto com Antonio Testa, trabalhou na organização das reuniões do chamado Grupo de Brasília, que formulou propostas para Bolsonaro. Foi também secretário parlamentar (comissionado) do gabinete de Bolsonaro na Câmara dos Deputados, onde estava lotado desde maio de 2018.

Paulo Guedes caminha em rua cercado por jornalistasAFP
Um dos homens fortes de Bolsonaro e futuro ‘superministro’, Guedes é parte também da equipe de transição de Bolsonaro

23. Paulo Guedes

É o futuro superministro da área econômica do governo Bolsonaro. Durante a campanha, Bolsonaro referiu-se ao economista diversas vezes como seu “posto Ipiranga” para a área econômica, referência aos comerciais de uma rede de postos.

Economista pela Universidade Federal de Minas Gerais, fez mestrado em economia na Universidade de Chicago (EUA), onde também fez seu doutorado. É um dos fundadores da faculdade Ibmec e do Instituto Millenium.

Guedes é alvo de ao menos três investigações sobre suspeitas de gestão fraudulenta ou temerária envolvendo fundos de pensão. Ele nega qualquer irregularidade.

24. Roberto da Cunha Castello Branco

Doutor em economia pela FGV, desenvolveu pesquisa de pós-doutorado no departamento de economia da Universidade de Chicago, nos anos 1970. Foi também diretor da mineradora Vale e do Banco Central (Bacen).

Desde maio de 2017, é diretor da Invepar, uma das maiores empresas de mobilidade do País – é concessionária do aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, e outros dez projetos de infraestrutura. É também professor e diretor de um centro de estudos da FGV.

25. Sérgio Augusto de Queiroz

É engenheiro civil pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), mesmo Estado de origem de Julian Lemos. Conhecido como Sérgio Queiroz, é mestre em filosofia política e ética pela UFPB. É pastor evangélico e doutor em teologia, além de servidor de carreira da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, um departamento da Advocacia-Geral da União (AGU).

26. Waldemar Gonçalves Ortunho Junior

Coronel reformado do Exército, já atuou no departamento de outorgas no ministério das Comunicações e agora funciona como um elo entre as diversas propostas das equipes envolvidas nas formulações das políticas do governo Bolsonaro. É ele, segundo a revista Veja, quem leva as informações para o presidente eleito.

27. Waldery Rodrigues Junior

Graduado no Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) e doutor em economia pela Universidade de Brasília (UnB). É pesquisador concursado do Ipea desde 1996, e atualmente está cedido para o Ministério da Fazenda. Trabalhará na equipe de transição de forma voluntária, sem receber; é especialista em contas públicas e privatizações.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s