Bitcoin, a maior das criptomoedas, completa dez anos

Fonte: G1

Em seu aniversário, criptomoeda acumula histórico de hacks, compras inusitadas e altas e baixas no valor da cotação.
Criptomoeda mais conhecida do mundo completa 10 anos. — Foto: Jack Guez/AFPCriptomoeda mais conhecida do mundo completa 10 anos. — Foto: Jack Guez/AFP

Criptomoeda mais conhecida do mundo completa 10 anos. — Foto: Jack Guez/AFP

Em 31 de outubro de 2008 nascia, com uma intenção claramente política, o bitcoin, a primeira moeda virtual descentralizada. Dez anos depois, esta criptomoeda alimenta um complexo ecossistema, mas continua sem convencer nas altas esferas econômicas.

Quando se falou do bitcoin pela primeira, há dez anos, o bitcoin nascia com uma visão política.

Apareceu pela primeira vez em um publicação (white paper, no termo em inglês) na internet assinada por Satoshi Nakamoto, um pseudônimo cuja identidade real — pessoa ou grupo? — continua desconhecida, com o objetivo de “efetuar pagamentos on-line diretamente de uma pessoa a outra sem passar por uma instituição financeira”.

Esta ambição foi alimentada pela quebra do banco americano Lehman Brothers, ocorrida um mês antes, que desprestigiou o sistema de “moedas tradicionais com as quais uma pequena elite de banqueiros se enriquece muito, estabelece as regras monetárias e as impõe a todo mundo”, ressalta Pierre Noizat, fundador da primeira plataforma francesa de venda de bitcoins em 2011.

Em 3 de janeiro de 2009 às 18H15 GMT, foi criado o primeiro bloco que gera 50 bitcoins. A primeira transação entre duas contas tem lugar nove dias depois.

O bitcoin evoluiu durante anos fora dos radares do grande público, interessando unicamente aos apaixonados por informática ou aos que lavam dinheiro.

Quando nasceu, em outubro de 2008, o bitcoin valia somente US$ 0,00076.

Em 22 de maio de 2010, um programador da Flórida pagou a um internauta 10.000 bitcoins para que ele entregasse duas pizzas. Foi a primeira transação conhecida no mundo real, equivalia na época a US$ 42 e marcou o nascimento do “Bitcoin Pizza Day”. Atualmente, o valor equivaleria a US$ 64,2 milhões.

Em 2013, a criptomoeda já superava os US$ 1.000 e começou a chamar a atenção das instituições financeiras.

O Banco Central Europeu indicou um funcionamento perigoso enquanto o ex-presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, celebrou seu potencial.

Em 2014, a criptomoeda sofreu sua pior crise com o hack da plataforma MtGox, onde se negociava até 80% dos bitcoins em circulação. Seu preço despencou e teve de esperar mais de três anos para voltar a seu nível do final de 2013.

O ano de 2017 constitui um “ponto de inflexão”, considera Noizat: a moeda passa de menos de US$ 1 mil para quase US$ 20 mil em meados de dezembro, segundo números da Bloomberg.

Cotação da bitcoin, moeda virtual, valoriza mais de 900% em 2017

Cotação da bitcoin, moeda virtual, valoriza mais de 900% em 2017

O valor de mercado de todas as moedas em circulação supera, por algum tempo, US$ 300 bilhões, segundo o site especializado Coinmarketcap. A soma da capitalização de todas as criptomoedas supera os US$ 800 bilhões em janeiro de 2018, até que o valor do bitcoin volte progressivamente para cerca de US$ 6.400.

“O conceito de moedas virtuais, que já existia antes, se estendeu consideravelmente” graças ao bitcoin, considera o analista Bob McDowall. Até o ponto que o conceito superou o simples estatuto de progresso tecnológico para converter-se em “quase uma religião”, segundo ele.

Atualmente existem mais de 2 mil criptomoedas diferentes.

Até o ponto que o conceito superou o simples estatuto de progresso tecnológico para converter-se em “quase uma religião” para alguns, alerta McDowall.

“A verdadeira revolução se situam em um nível filosófico” ao instaurar um “novo regime de sociedade com mais liberdade”, afirma, Anthony Lesoismier, cofundador da Swissborg, um fundo de investimentos suíço que propõe carteiras de ativos baseados exclusivamente neste tipo de moedas.

No campo contrário, o economista turco-americano Nouriel Roubini afirma que a descentralização é “um mito”.

“É um sistema mais centralizado do que a Coreia do Norte. Os mineradores estão centralizados, as transações estão centralizadas e os programadores são uns ditadores”, denunciou em um artigo na imprensa.

Embora a ideia inicialmente fosse utilizar o bitcoin como valor de câmbio, a maioria dos observadores reconhece que agora se usa principalmente como reserva ou instrumento de especulação devido à sua volatilidade.

“São necessários 20 anos para que uma tecnologia de rede deste tipo se instale completamente”, justifica Noizat, esperando a chegada de um sistema técnico que dê maior rapidez às transações: a rede só pode tratar atualmente cinco a dez operações por segundo, frente a vários milhares para os operadores de cartões Visa por exemplo.

Nascido para escapar do sistema financeiro tradicional, acabará o bitcoin finalmente se integrando por intermédio dos grandes bancos? “É preciso aceitar algumas pontes no curto prazo” para gerar o interesse do grande público, considera Lesoismier, que se define como “um idealista”, mas também “realista”.

Infográfico: Como funciona o bitcoin — Foto: Igor Estrella/G1Infográfico: Como funciona o bitcoin — Foto: Igor Estrella/G1

Infográfico: Como funciona o bitcoin — Foto: Igor Estrella/G1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s