30 profissões que vão surgir com a indústria 4.0

Fonte: ÉPOCA

O que muda com internet das coisas, automação e novas tecnologias? Levantamento do Senai mostra as profissões que estarão em alta em oito setores da indústria brasileira nos próximos cinco anos
Indústria 4.0 ; revolução digital ; tecnologia ; inovação ;  (Foto: Thinkstock)\
(Foto: Thinkstock)

Novas profissões como engenheiro de cibersegurança ou de fibras têxteis, mecânico de veículos híbridos, técnico em impressão de alimentos e operador de máquina high speed estão entre as profissões que irão despontar no mercado nos próximos cinco anos. Algumas delas podem demorar até 10 anos para se consolidar, mas a demanda já existe. A conclusão é de um levantamento realizado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI).

O SENAI analisou de que forma as novas tecnologias — como realidade virtual, automação, internet das coisas e impressão 3D — estão influenciando a dinâmica de oito setores da indústria brasileira. São eles: automotivo, alimentos e bebidas, máquinas e ferramentas, tecnologia da informação e comunicação, construção civil, química e petroquímica, petróleo e gás e têxtil e vestuário. A partir daí, mapeou as profissões (de nível médio e superior) que vão ganhar relevância nos próximos anos, bem como aquelas que serão criadas a partir do uso de novas tecnologias e novos equipamentos. Confira abaixo o que muda em cada setor:

AUTOMOTIVO  

Robôs soldam carros em linha de produção de carros da Ford  (Foto: Divulgação)
Robôs soldam carros em linha de produção de carros da Ford (Foto: Divulgação)

O que já está mudando no setor: robotização de linhas de produção, comunicação de máquinas por meio da IoT, impressoras 3D e simuladores

 Profissões já existentes e que vão ganhar maior relevância no setor: 

Eletromecânico de automóveis: realiza a manutenção e instalação de sistema multimídia e de conectividade; calibra sensores do sistema de segurança; calibra mecanismo de mudança e embreagem das transmissões automatizadas.
Salário médio: R$ 3.098,53

Mecânico de automóveis leves: inspecionar e reparar veículos híbridos, elétricos e direção elétrica.
Salário médio: R$ 5.183,64

Mecânico de manutenção automotiva: inspeciona e repara sistemas de reaproveitamento de energia por meio da frenagem. (Ex: ônibus coletivo hibrido); inspeciona e repara sistemas de telemetria aplicados à mobilidade automotiva; utiliza tecnologias da informação mais complexas nas atividades de diagnóstico e reparação de automóveis.
Salário médio: R$ 2.996,51

Técnico em manutenção automotiva: programar centrais (chaves, alarme, multimídia de navegação, injeção eletrônica, via scanner e ou computador); leitura, interpretação e comunicação em linguagem internacional; realiza diagnósticos e análises de dados de testes para sistemas automotivos, subsistemas ou componentes.
Salário médio: R$ 5.049,21

Profissões que vão surgir no setor: 
Mecânico de veículos híbridos: irá realizar diagnósticos de motores a combustão interna e/ou elétricos e todas as atividades de manutenções preditiva e preventiva de veículos híbridos. Segundo o estudo, de 11% a 30% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Mecânico especialista em telemetria: programará computadores e realizará diagnóstico e reparo em redes eletrônicas. Segundo o estudo, de 11% a 30% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Programador de unidades de controles eletrônicos: acessará e reprogramará unidades de controle eletrônico por meio de protocolos de comunicação via scanner ou interfaces;
diagnostica e analisa dados de testes para sistemas automotivos, subsistemas ou componentes. Segundo o estudo, de 31% a 50% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Técnico em informática veicular: inspecionará ou testará partes para determinar a natureza ou a causa de defeitos ou avarias; instala equipamentos, tais como equipamentos para testes, motores ou acessório; customiza as funcionalidades do veículo; corrigirá, por acesso remoto ou presencial, problemas de sistemas veiculares. Segundo o estudo, de 31 a 50% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

ALIMENTOS E BEBIDAS 

Drone sobrevoa plantação ; agronegócio ; agrotech ; agtech (Foto: Pexels)(Foto: Pexels)

O que já está mudando no setor: empresas usam softwares avançados para controle e implementação de processos álcoolquímicos para produção de eteno, butadieno, butanol, acetaldeído, entre outros. Big data já é usado para previsão de orçamento industrial e drones no monitoramento e segurança das áreas de plantio.

Profissões já existentes e que vão ganhar maior relevância no setor: 
Técnico em açúcar e álcool: profissional que realiza análises em novos equipamentos e instrumentos; identifica a necessidade de ajuste e/ou reparo de equipamentos ou dispositivos mecânicos, eletroeletrônicos e automatizados para testes; levanta e analisa dados históricos de mercado, de qualidade, produção e perdas para o planejamento da produção.
Salário médio: R$ 2.230,04

Técnico em cervejaria: opera e monitora equipamentos automatizados de produção; presta assistência a engenheiros de alimentos ou tecnólogos em pesquisa e desenvolvimento, tecnologias de produção e controle de qualidade; examina amostras químicas ou biológicas para identificar estruturas celulares ou localizar bactérias e material estranho
Salário médio: R$ 1.747,78

Operador de processamento de grãos: opera e monitora equipamento automatizado de secagem, moagem ou torrefação de itens alimentares, tais como cacau e café, feijões, cereais, nozes e matérias-primas utilizadas em panificação; monitora e programa o fluxo de materiais e detecta o mal funcionamento de máquinas, tais como bloqueios, implementando ações corretivas.
Salário médio: R$ 2.230,04

– Operador de processamento de bebidas: monitora, opera e controla equipamentos automatizados tais como caldeiras, tonéis, secadores, silos, destiladores, filtros, moinhos, cortadores e moendas para cozinhar ou preparar bebidas; interpreta ordens de trabalho, receitas ou fórmulas para determinar tempo e temperatura de cozimento e especificações de ingredientes; coleta e analisa amostras de produtos durante a produção para testar a qualidade, cor, conteúdo, consistência, viscosidade e acidez, entre outros parâmetros.
Salário médio: R$ 4.051,06

Profissões que vão surgir no setor: 
– Especialista em aplicações para rastreabilidade de alimentos: profissional que irá colaborar com as empresas de alimentos no design; implementação e manutenção dos sistemas de rastreabilidade das matérias-primas, ingredientes e recipientes, bem como os alimentos processados e comercializados. Segundo o estudo, até 10% de empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Técnico em impressão de alimentos: profissional que fará a manutenção das máquinas responsáveis pela impressão de alimentos. Segundo o estudo, até 10% de empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Especialista em aplicações de embalagens para alimentos: profissional que irá liderar a pesquisa de aplicações de novos materiais, técnicas de embalagem, novas embalagens, atmosferas de proteção e melhorias, dentro de estratégias de lançamento de novos produtos; melhorar embalagens e/ou adaptá-las para novas tecnologias. Segundo o estudo, até 10% de empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos.

MÁQUINAS E FERRAMENTAS: 

Indústria ; produção industrial ; siderurgia ; aço ;  (Foto: Arquivo/Reuters)(Foto: Arquivo/Reuters)

O que já está mudando no setor: aumento do uso das tecnologias de realidade virtual, manufatura aditiva, máquinas-ferramenta com maior velocidade e precisão. Uso de novos materiais de base polimérica, cerâmica e de nanotubos de carbono. Robotização da produção nas etapas de soldagem e montagem.

Profissões já existentes e que vão ganhar maior relevância no setor:
Técnico em eletromecânica: interpretar plantas, esquemas, diagramas e procedimentos operacionais para determinar métodos e sequências de montagem e manutenção; verifica dimensões das peças para assegurar a conformidade com as especificações técnicas, usando instrumentos de medição.
Salário médio: R$ 3.504,22

Técnico em manutenção de máquinas industriais: interpreta plantas, desenhos e manuais de fabricantes para determinar a correta instalação ou operação de máquinas industriais; programa máquinas controladas por computadores; analisa resultados de testes, mensagens de erros ou informações obtidas de operadores para diagnosticar problemas e realizar as intervenções.
Salário médio: R$ 2.911,60

Desenhista de mecânica: desenvolve desenhos detalhados e especificações para equipamentos mecânicos, matrizes, ferramentas e controles, usando sistemas computacionais; programa em sistemas CAD/CAM/CAE/CAI; elabora projetos industriais; revisa e analisa especificações, esboços, desenhos, ideias e dados para avaliar os fatores que causam impactos em projetos de componentes e os procedimentos e instruções de fabricação a serem seguidos.
Salário médio: R$ 3.727,15

Técnico em mecânica: aplica teoria e princípios de mecânica para modificar, desenvolver, testar ou calibrar máquinas e equipamentos sob a supervisão de engenheiros; sugere mudanças em projetos, métodos de fabricação e montagem e técnicas de elaboração e procedimentos com a equipes de trabalho e coordena correções; avalia a funcionalidade de ferramentas e dispositivos, medindo e comparando com especificações originais de projetos.
Salário médio: R$ 4.535,59

Profissões que vão surgir no setor:
Projetista para tecnologias 3D: atuará na modelagem em software CAD e/ou específicos para impressão 3D; irá preparar programas para impressão 3D. Segundo o estudo, de 11% a 30% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Operador de High Speed Machine: profissional que irá otimizar processos produtivos por meio de softwares de programação; responsável por programar máquinas CNC. Segundo o estudo, de 11% a 30% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Programador de ferramentas CAD/CAM/CAE/CAI: atuará substituindo o desenhista mecânico; e irá precisar elaborar a programação em CAD/CAM/CAE e CAI. Segundo o estudo, de 11% a 30% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Técnico de manutenção em automação: o responsável por substituir componentes eletroeletrônicos; utilizando diferentes redes industriais; executar retrofiting em máquina e equipamentos e otimizar processos produtivos. Segundo o estudo, de 11% a 30% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 

cibersegurança, hacker, vírus (Foto: Thinkstock) (Foto: Thinkstock)

O que já está mudando no setor: integração das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) aos processos de automação da indústria 4.0; digitalização de etapas de processos produtivos, uso de IoT e de redes sem fio nas linhas produtivas

Profissões já existentes e que vão ganhar maior relevância no setor:
Técnico programador de jogos digitais: testa e corrige erros em programas de jogos de computadores, documentando modificações no código; modifica o código de jogos de computadores para aprimorar suas funcionalidades; realiza manutenções em códigos de jogos de computadores para corrigir pequenos erros ou habilitar sua execução em novos tipos de hardware ou sistemas operacionais.
Salário médio: R$ 4.294,32

Programador multimídia: desenvolve ou valida as rotinas e a programação da execução de testes para garantir que os testes contemplem as interfaces externas e sejam compatíveis com todos tipos de navegador para a internet e dispositivos de hardware; projeta e implementa medidas para a segurança de websites, tais como firewalls ou criptografia de mensagens; sugere linguagens de programação, ferramentas de projeto ou aplicativos para desenvolvimento de software.
Salário médio: R$ 4.294,32

Técnico em desenvolvimento de sistemas: consultar equipes de engenharia de software para avaliar interfaces entre hardware e software; desenvolver especificações e requisitos de desempenho ou resolver os problemas; especificar requisitos para a configuração de sistemas e banco de dados; avaliar e recomendar ferramentas de desenvolvimento de software.
Salário médio: R$ 4.294,32

Técnico em rede de computadores: pesquisa novas tecnologias, implementa e/ou recomenda a implementação dessas tecnologias; diagnostica e soluciona problemas de hardware, software e substitui componentes defeituosos, quando necessário; planeja, coordena e implementa medidas de segurança de rede para proteger os dados, software e hardware.
Salário médio de: R$ 3.120,26

Profissões que vão surgir no setor:
Analista de IoT (internet das coisas): desenvolverá soluções de sistemas embarcados para sensoriamento; integrará hardware e software por meio da internet. Segundo o estudo, até 10% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Engenheiro de cibersegurança: realizará testes de penetração e outras ferramentas de cibersegurança, usando-as para manter a empresa segura contra ameaças internas e externas. Formação em ciência da computação com especialização em segurança e experiência prática na área são exigidas. Segundo o estudo, até 10% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Analista de segurança e defesa digital: identificará riscos potenciais ou existentes que impactam a segurança de informações; desenvolverá controles ou ações para mitigar riscos de segurança de informações. Segundo o estudo, até 10% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Especialista em big data: analisará dados para detectar movimentos econômicos do segmento e do contexto no qual se encontra a empresa; determinará como a empresa pode se inserir em novo nichos de mercado. Segundo o estudo, até 10% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Engenheiro de softwares: irá automatizar, centralizar e otimizar todos os processos de uma fábrica e de sua matriz recorrendo a softwares feitos sob medida (customizados). Segundo o estudo, até 10% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

CONSTRUÇÃO CIVIL 

Construção - prédio - arquitetura - construir - prédios - construtech (Foto: Pexels)(Foto: Pexels)

O que já está mudando no setor: uso da domótica (automação predial) e da internet das coisas (IoT) para reunir informações detalhadas do que ocorre no canteiro de obras em tempo real e automatizar processos — como pedidos de novos materiais e ferramentas e dos materiais inteligentes. Uso de novos materiais como concretos translúcidos e que se auto reparam, além de novas tecnologias para conforto térmico e acústico.

Profissões já existentes e que vão ganhar maior relevância no setor:
Eletricista instalador residencial: instala componentes elétricos para automação residencial; instala sistemas de energia fotovoltaica; realiza manutenção de sistemas elétricos incorporados em sistemas de automação.
Salário médio: R$ 2.757,19

– Técnico em edificações: interpreta plantas, desenhos e especificações para avaliar dimensões de estruturas e determinar quantidades de materiais; identifica novos materiais, equipamentos, técnicas de construção e fornecedores; realiza pesquisas de campo para identificar locais de construção de edificações, determina a adequação para ocupação e a área disponível; realizar atendimento a clientes.
Salário médio: R$ 3.857,88

Mestre de obras: localiza, mede e demarca locais de construção ou de posicionamento de estruturas ou equipamentos, utilizando equipamentos de medição e de marcação; avalia problemas e recomenda soluções, tais como a melhoria de métodos de construção; inspeciona a execução do trabalho, equipamentos ou locais de construção para verificar a segurança ou para garantir que as especificações sejam atendidas.
Salário médio: R$ 3.378,21

Laboratorista de materiais de construção: fiscaliza a execução da obra; gerencia processos de controle de qualidade; monitora a qualidade de materiais.
Salário médio: R$ 3.631,45

Profissões que vão surgir no setor:
Integrador de sistema de automação predial: irá compatibilizar e integrar as necessidades relativas à automação. Segundo o estudo, até 10% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos.

Técnico de construção seca: irá analisar projetos, executar e montar sistemas do tipo seca (drywall, steelframe, woodframe). Segundo o estudo, até 10% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Técnico em automação predial: irá desenvolver projetos e executar automação predial. Segundo o estudo, até 10% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Gestor de logística de canteiro de obras: irá ler interpretar projetos; planejar atividades de armazenamento, distribuição, transportes e comunicações; administrar equipes; gerir recursos materiais da área; controlar processo operacional; promover condições de segurança, saúde, meio ambiente e qualidade; descartar materiais segundo normas ambientais e procedimentos. Segundo o estudo, de 11% a 30% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Instalador de sistemas de automação predial: irá instalar sistemas de automação predial (elétrica; eletrônica e TI). Segundo o estudo, até 10% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

QUÍMICA E PETROQUÍMICA

Sustentabilidade ; negócio verde ; desenvolvimento sustentável ; empresa sustentável ; negócio sustentável ; indústria química ;  (Foto: Shutterstock)(Foto: Shutterstock)

O que já está mudando o setor: automação dos processos contínuos e robotização dos processos discretos. Uso mais intensivo de internet das coisas (IoT) na comunicação entre etapas dos processos produtivos e coleta de informações de mercado que afetem a produção. Desenvolvimento de novos produtos, aplicando os conceitos de nano e biotecnologia, além de novas composições poliméricas para tintas, vernizes e fibras sintéticas.

Profissões já existentes e que vão ganhar maior relevância no setor:
Técnico em química: opera e controla processos por sistemas computadorizados e operar plantas-piloto; monitora a performance e intervém em sistemas automatizados (dispositivos e medidores críticos de análise no processo); participa de equipes para desenvolvimento de novos produtos e novas tecnologias (ex: biotecnologia, alergênicos, transgênicos, nanotecnologia e cristalografia).
Salário médio: R$ 4.125,52

Operador de processos: opera e controla processos por sistemas computadorizados e operar plantas-piloto; monitora a performance e interbém em sistemas automatizados (dispositivos e medidores críticos de análise no processo); integra equipes de projetos e discussões referentes a sustentabilidade (redução de energia, materiais, reciclagens, e outros).
Salário médio: R$ 3.007,01

Técnico em plásticos (associado ao ambiente petroquímico): desenvolve formulações (matérias-primas + aditivos) adequadas aos processos e produtos; realiza o suporte técnico do departamento de vendas; capacita a equipe de trabalho; busca novas tecnologias e soluções (máquinas, equipamentos, matérias-primas e outros); implementa sistemas de gestão de produção e qualidade.
Salário médio: R$ 2.762,02

Técnico em análise química: opera sistemas de análises instrumentais integradas; aplica recursos de informática industrial (hardware e software) na operação de sistemas de análises instrumentais automatizadas; opera instrumentos de nanometrologia química e físico-química; realiza aferição dos instrumentos analíticos online para análises de substâncias sólidas, líquidas ou gasosas; padroniza soluções químicas (adquiridas) para realizar análises seguindo procedimentos estabelecidos.
Salário médio: R$ 4.125,52

Supervisor de produção: planeja e gerencia processos contínuos automatizados de produção química, petroquímica e afins utilizando grandes quantidades de dados; lidera, desenvolve e avalia equipes multidisciplinares de trabalho; aplica e assegura os procedimentos conforme as normas técnicas de qualidade, segurança, higiene, saúde e preservação ambiental.

Profissões que vão surgir no setor:
Técnico em análises químicas com especialização em análises instrumentais automatizadas: irá realizar análises instrumentais, utilizando equipamentos automatizados (ex. espectrofotômetro de UV/visível, de infra vermelho, absorção atômica). Segundo o estudo, de 11% a 30% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos.

Técnico especialista no desenvolvimento de produtos poliméricos: irá analisar e desenvolver novos produtos (nanotecnologia, bioplásticos, biodegradáveis); operar máquinas e equipamentos automatizados; realizar interface com universidades, institutos de pesquisa e centros de inovação. Segundo o estudo, de 11% a 30% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Técnico especialista em reciclagem de produtos poliméricos: irá gerenciar o processo de separação e descontaminação dos materiais a serem reciclados; desenvolver formulações; aditivar plásticos. Segundo o estudo, de 11% a 30% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

TÊXTIL E VESTUÁRIO

Ideias;Tecnologia;Meio Ambiente;Indústria Têxtil;Impacto “É uma inovação mundial”, diz empresário que testou o equipamento com sucesso (Foto: Getty Images) (Foto: Getty Images)

O que já está mudando o setor: novas tecnologias digitais estão sendo incorporadas à modelagem e simulação, principalmente nas etapas de criação, concepção e prototipagem de produtos na busca pela máxima customização de produtos. Uso de smart clothes, que permitem diversos tipos de informação provenientes da interação do fio, do tecido ou da roupa com o corpo e com o ambiente. Aumento da automação em diversas partes da costura (medidas em 3D e visão de máquina).

Profissões já existentes e que vão ganhar maior relevância no setor:
Técnico em vestuário: desenvolve metodologias para aumento de produtividade; seleciona novos materiais e técnicas de produção para produtos customizados; estabelece os processos de gestão de descarte de resíduos da produção; desenvolve e aplica novas técnicas e ferramentas de controle da qualidade.
Salário médio: R$ 2.446,95

Técnico têxtil: identifica novas tecnologias produtivas para aumento dos níveis de produtividade e redução da geração de efluentes; identifica novas tecnologias de materiais e adequá-las aos processos produtivos
Salário médio: R$ 3.592,47

Desenhista de moda: elabora, em sistemas informatizados de concepção/criação, esboços e desenhos detalhados de peças de vestuário e acessórios; escreve especificações, tais como esquemas de cores, montagem e tipos de tecidos; pesquisa e identifica novas fibras, fios e tecidos e desenhos de modelos para desenvolver projetos para públicos com necessidades mais complexas e específicas.
Salário médio: R$ 3.154,09

Técnico em produção de moda: aplica novas mídias e novas tecnologias para o desenvolvimento de catálogo de moda; seleciona materiais e técnicas de produção para serem utilizados em divulgação de produtos; identificar mercados-alvo para projetos, considerando fatores como idade, sexo e nível socioeconômico.
Salário médio de: R$ 2.446,95

Profissões que vão surgir no setor:
Técnico de projetos de produtos de moda: irá desenvolver sistemas para aumento de produtividade e redução de custos; reestruturar áreas de criação, produção, desenvolvimento e expedição; desenvolver produtos e tecnologias para aumentar customização. Segundo o estudo, de 11% a 30% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Engenheiro em fibras têxteis: irá desenvolver novas fibras químicas para o processo produtivo adequadas às demandas da cadeia de valor; adequar os processos de fiação, tecelagem e beneficiamentos têxteis às novas fibras. Segundo o estudo, de 11% a 30% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Designer de tecidos avançados: irá desenvolver projetos de novos tecidos e materiais sintéticos com propriedades predefinidas (por exemplo, telas de memória LED). Segundo o estudo, até 10% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

PETRÓLEO E GÁS 

Plataforma de exploração do pré-sal ; petróleo ;  (Foto: Pércio Campos/Agência Petrobras) (Foto: Pércio Campos/Agência Petrobras)

Profissões já existentes e que vão ganhar maior relevância no setor:
Operador de sonda: controla os dados da sonda por meio de telemetria; monitora os dados da sonda; analisa algoritmos computacionais; executa atividades com base nos conceitos de produção enxuta; monta equipamentos de segurança, controle de poço e completação; testa a montagem dos equipamentos de segurança e controle de poço; opera os sistemas de equipamentos da sonda (elevação, circulação, geração de energia e rotação).
Salário médio: R$ 4.190,81

Técnico em petróleo e gás: opera e controla máquinas e equipamentos na produção de petróleo e gás natural; auxilia e atua na programação, planejamento e execução da manutenção de máquinas e equipamentos; determina propriedades e grandezas dimensionais de rochas, fluidos e materiais para a indústria do petróleo e gás natural; auxilia no controle dos efeitos ambientais das operações efetuadas.
Salário médio: R$ 6.758,14

Engenheiro de petróleo: planeja e coordena a execução das atividades relacionadas à pesquisa de novas jazidas e à produção de petróleo e gás natural; atua na exploração, produção, transporte, refino, comercialização, distribuição e logística; realiza estudos geológicos e avalia a viabilidade técnica e econômica da extração de combustíveis fósseis.
Salário médio: R$ 18.432,52

Técnico em petroquímica: opera e controla processos petroquímicos por sistemas computadorizados e operações de planta-piloto; monitora a performance e intervém em sistemas automatizados (dispositivos e medidores críticos de análise no processo); participa de equipes para desenvolvimento de novos produtos petroquímicos; coordenar processos produtivos em planta petroquímica.
Salário médio: R$ 5.607,78

Profissões que vão surgir no setor:
Especialista em técnicas de perfuração: irá desenvolver e implantar novas técnicas de perfuração. Segundo o estudo, até 10% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Especialista em sismologias e geofísica dos poços: irá desenvolver e implantar tecnologias para o aumento da confiabilidade da previsão de ocorrência de novos reservatórios e a redução de custos da descoberta de reservatórios de petróleo e gás natural em bacias onshore e offshore. Segundo o estudo, até 10% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Especialista para recuperação avançada de petróleo: irá desenvolver e implantar novas tecnologias para melhoria na eficiência de injeção de água; trabalhar na recuperação de óleo pesado e controle da água produzida. Segundo o estudo, até 10% das empresas do setor demandarão este profissional nos próximos 5 anos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s