‘Busca sob censura’: por que o suposto plano do Google para chegar à China é polêmico

Fonte: BBC

Guarda Chinês em frente à marca do Google Direito de imagem Reuters
Image caption O novo mecanismo de busca do Google mostraria lista com sites proibidos e excluídos com um aviso dizendo que “alguns resultados podem ter sido removidos devido a exigências legais”

O Google está desenvolvendo uma versão do seu mecanismo de busca adaptada à censura da China.

A empresa havia desativado o mecanismo no país em 2010, se queixando de que a liberdade de expressão estava sendo limitada pelo governo.

Agora, segundo o portal de notícias The Intercept, estaria trabalhando em um projeto de codinome Dragonfly (libélula, em inglês), que bloqueará termos considerados sensíveis no país, como direitos humanos e religião – uma medida que, segundo analistas, deverá ser duramente criticada por ativistas.

Um jornal estatal na China, o Securities Daily, negou as informações. Questionado, o Google emitiu uma nota, através de uma porta-voz.

“Oferecemos uma quantidade de apps na China, como Google Translate e Files Go, ajudamos desenvolvedores chineses e fizemos investimentos consideráveis em empresas chinesas como JD.com”, diz o comunicado.

“Mas não comentamos especulações sobre planos futuros.”

O que o The Intercept disse?

Citando documentos e fontes internas do Google, o Intercept informou que o Dragonfly foi iniciado na primavera de 2017 e acelerado em dezembro, depois de um encontro entre o CEO do Google, Sundar Pichai, e uma autoridade do governo chinês.

O portal diz que um aplicativo para Android com versões chamadas Maotai e Longfei foi desenvolvido e poderá ser lançado dentro de nove meses se conseguir a aprovação do governo.

As agências de notícias Reuters e Agence France-Presse (AFP) disseram ter confirmado as informações a partir de fontes distintas.

Como o mecanismo funcionaria?

Segundo o Intercept, o aplicativo filtra buscas por assuntos “sensíveis”, que lista ao identificar sites bloqueados pelo chamado Great Firewall, o mecanismo de censura imposto pelo governo na internet do país.

Uma busca feita com o aplicativo resultaria em uma lista com sites excluídos e um aviso dizendo que “alguns resultados podem ter sido removidos devido a exigências legais”.

Entre os sites de acesso bloqueado, estariam o da BBC News e da Wikipedia.

Rosto de mulher chinesa aparece por trás da logo do Google Direito de imagem Getty Images
Image caption A China é o maior mercado de internet do mundo e isso explica o interesse do Google no país

Qual tem sido a reação dentro do Google?

Se por um lado o comando da empresa preferiu não comentar “especulações sobre planos futuros”, houve sinais de descontentamento com o app dentro da empresa.

Um funcionário que falou à agência Reuters disse que se transferiu da unidade em que trabalhava para evitar envolvimento no projeto.

Outra fonte entrevistava pela a AFP disse que “há muita angústia internamente”. E que “algumas pessoas estão muito zangadas”.

Mas analistas dizem que a medida causa pouca surpresa. Falando em uma conferência em 2016, Pichai, o CEO do Google, foi bem claro sobre os planos da empresa no país: “O Google é para todos – queremos que ele esteja na China ajudando usuários chineses”.

E os ativistas?

A Anistia Internacional disse que o Google não deveria prosseguir com o programa.

Patrick Poon, pesquisador da Anistia na China, disse em comunicado: “Será um dia sombrio para a liberdade na internet se o Google concordar com as regras de censura extrema da China para obter acesso ao mercado”.

“Ao colocar os lucros acima dos direitos humanos, o Google estaria estabelecendo um precedente assustador e dando uma vitória ao governo chinês”, acrescentou ele.

O que a China disse?

O governo não se pronunciou sobre o assunto. Mas o jornal estatal Securities Daily, citou “departamentos relevantes” para dizer que as reportagens sobre o retorno do Google ao país eram falsas.

A Reuters citou uma autoridade chinesa dizendo que o Google tinha estado em contato com autoridades sobre o assunto, mas que ainda não havia obtido aprovação para o programa.

Por que o Google gostaria de voltar ao mercado chinês?

A China é o maior mercado de internet do mundo.

Imagem mostra a antiga sede do Google China em Pequim, em uma bandeira do país em frente à fachada Direito de imagem AFP
Image caption O Google desativou seu mecanismo de busca na China em 2010, mas ainda emprega 700 pessoas no país em outros projetos

Apesar de seu mecanismo de busca principal e o YouTube – plataforma de vídeos da qual é dono – estarem bloqueados na China, o Google tem 700 funcionários no país e vem desenvolvendo projetos alternativos.

Seu aplicativo Google Translate para smartphones foi aprovado na China no ano passado.

A empresa também investiu em janeiro no Chushou, uma plataforma de jogos chinesa de transmissão ao vivo, e lançou um jogo de inteligência artificial no aplicativo de troca de mensagens instantâneas WeChat.

O que a China bloqueia?

Há uma censura rigorosa no país a sites e apps de redes sociais populares, como Facebook, Twitter, Instagram e Telegram.

Certos tópicos, como os protestos na Praça da Paz Celestial em 1989 – liderados por estudantes que protestavam contra a censura, a repressão e a corrupção do governo – estão completamente bloqueados.

Referências à oposição política, dissidentes e atividades anticomunistas também são proibidas, assim como à liberdade de expressão e sexo.

Nos últimos dois anos, a China impôs regras cada vez mais rígidas e vários sites estrangeiros sofrem severas restrições.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s