Roma Antiga: Pretorianos, a força obscura por trás do trono dos imperadores romanos | Cultura

Fonte: brasil.elpais.com

Poucas unidades militares têm uma reputação tão ruim quanto os pretorianos, a guarda dos imperadores de Roma, sua privilegiada (cobravam muito mais do que os legionários, e serviram menos tempo) e muitas vezes petulante escolta. O corpo, que também acompanhava o imperador em campanhas, entrando em combate como soldados, teve múltiplas funções, incluindo as de polícia secreta, espionagem e operações clandestinas (como assassinar inimigos do Estado). Foram precursores das unidades de elite e dos guarda-costas dos líderes modernos, influenciaram forças como a Guarda Suíça, a Guarda Imperial de Napoleão e as SS, e seu eco alcança até mesmo o universo de Star Wars, em cujo novo filme, Os Últimos Jedi, o líder supremo do mal conta com uma guarda pessoal inspirada diretamente neles (embora armada com espadas e lanças laser em vez de gladios e pilums).

Os pretorianos originais, que podemos ver fazendo suas maldades de toga e sandália em dezenas de filmes, entre eles Quo Vadis, A Queda do Império Romano e Gladiador, já eram denunciados na antiguidade por se tornarem frequentemente o poder por trás do trono e por seu feio costume de colocar e remover (matando, é claro) césares segundo suas vontades. Estavam acostumados a receber um pagamento extra cada vez que havia uma mudança de imperador, o que fomentava seu desejo de mudança. Um dos seus emblemas era o escorpião, que lhes caía como uma luva, embora, na realidade, fosse retirado do signo do zodíaco do Imperador Tibério.

Um de seus emblemas era o escorpião, que lhes caía como uma luva, apesar de, na realidade, ter sido retirado do signo do zodíaco do imperador Tibério.

Sobre eles escreveu o grande historiador Edward Gibbon, que os acusou de serem sintoma e causa da queda de Roma: “Seu orgulho se viu alimentando pela consciência de seu peso irresistível (…) Foram ensinados a perceber os vícios de seus senhores com um desdém comum e a evitar o temor reverencial em relação a seus mestres que só a distância e o mistério podem preservar “. Em suas fileiras militaram alguns dos nomes mais detestáveis da história romana, verdadeiros sinônimos de traição, despotismo, crueldade e infâmia, como Cássio Queria, Sejano, Tigelino ou Plauciano, que chegou, dizem, a castrar uma centena de cidadãos nobres (de origem senatorial) para que sua filha Plaucila pudesse ser atendida por eunucos, o que já era um capricho.

As carreiras dos líderes dos pretorianos foram muito prósperas – o próprio Plauciano foi sogro do imperador Caracala – e alguns até alcançaram o trono, como Macrino e Filipe, o Árabe, que antes de imperadores foram prefeitos do pretório, ou seja, comandantes da guarda. A indignidade dos mais conhecidos não deve nos fazer esquecer que havia pretorianos decentes, e que vários de seus comandantes supremos morreram em campanha à frente de suas tropas (como o prefeito Cornelio Fusco, morto em combate contra os dácios enquanto servia a Domiciano).

Para rastrear a história do famoso corpo, que permaneceu ativo por 340 anos, desde a era republicana até ser dissolvido por Constantino após a batalha da ponte Milviana (312), em que apoiaram seu rival Maxentius, e para esclarecer em que medida merecia sua terrível reputação, o especialista britânico Guy de la Bédoyère dedica seu livro altamente documentado Praetorian: The Rise and Fall of Rome’s Imperial Bodyguard (Pretorianos: ascensão e queda da guarda imperial de Roma), que também coincide nas livrarias com Pretorianos: La élite del ejército romano (Pretorianos: a elite do Exérito Romano), do historiador espanhol Arturo Sánchez Sanz.

O autor britânico deixa muito claro de onde vem a fama obscura dos pretorianos, e por que eles nos fascinam tanto. “Eram perigosos”, responde sem rodeios. “Sempre perto do centro do poder”. Sua reputação ruim é justificada? “Você poderia comprá-los, mas quando os imperadores eram bons e tinham grande prestígio, os pretorianos se comportavam. Foi sobretudo nos casos de imperadores incompetentes ou vulneráveis que os pretorianos cobriram as lacunas com sua ambição e tornaram-se fazedores de reis. O autoexílio de Tibério em Capri, o desastroso reinado de Calígula… “.

A guarda pretoriana de 'Gladiador'
A guarda pretoriana de ‘Gladiador’

De la Bédoyère observa que grande parte do mal que fizeram os pretorianos, “uma das forças mais poderosas da história de Roma”, deve ser atribuída a imperadores “que deixaram muito a desejar”. Faz distinção entre os soldados da guarda, que na maioria, segundo ele, eram geralmente leais a seus imperadores, e seus oficiais e prefeitos, “dos quais não se pode dizer o mesmo”. E enfatiza que, de uma maneira ou de outra, os pretorianos “eram como um vulcão adormecido que ameaçava entrar em erupção quando as circunstâncias permitiam”.

Um dos episódios mais famosos em que os pretorianos intervieram foi quando, depois de matarem Calígula, fizeram imperador o relutante Cláudio, que tinha se escondido atrás de uma cortina e deu-lhes uma gorjeta generosa como suborno para comprar sua lealdade.

Sánchez Sanz mostra os pretorianos sob uma luz mais favorável que De la Bédoyère, e acredita que é preciso desmistificar sua imagem de “donos do poder” que, diz ele, corresponde estritamente a seus colegas legionários, que eram os principais motores de candidatos imperiais. Ressalta que os pretorianos provavelmente “salvaram a vida de tantos imperadores quanto os que arrebataram”. A guarda pretoriana, resume com um certo tom de admiração, “eram os soldados de elite do império. Muitas vezes se aproveitavam disso, outras tantas o mostravam”.

Cláudio implora ante os pretorianos para que decidam nomeá-lo imperador após o assassinato de Calígula, em uma pintura de Alma-Tadema de 1869
Cláudio implora ante os pretorianos para que decidam nomeá-lo imperador após o assassinato de Calígula, em uma pintura de Alma-Tadema de 1869

O livro de Sánchez Sanz, especialista em história antiga, é muito rico em detalhes sobre a organização, os uniformes e o equipamento dos pretorianos, uma questão complexa por causa da escassez de fontes iconográficas e variedade de funções que caracterizava o corpo.

Os pretorianos começaram como um destacamento de soldados, veteranos e de confiança, que protegiam como escolta pessoal os generais da era republicana, tendo o seu nome a partir da loja deles, o praetorium, ou pretório. Há referências a “coortes pretorianas”, que é o tipo de unidade do Exército romano em que se agrupavam, desde o tempo de Cipião Africano, embora líderes como Júlio César tivessem outros guarda-costas (em seu caso, uma guarda de hispânicos que o malfadado ditador teve a má ideia de dissolver antes do Idos de março). Em todo caso, não encontramos os pretorianos verdadeiramente institucionalizados da maneira como os conhecemos até a época de Augusto. Foi ele quem estabeleceu uma força permanente de nove coortes, cada uma consistindo de 500 ou mil homens, de acordo com fontes (De Bédoyère aponta para mil), com acampamento em Roma, projetada para proteger o imperador e sua família, reprimir motins e desmantelar complôs.

À frente dos pretorianos estavam dois prefeitos do pretório, que foram ganhando mais poder e proeminência por sua posição tão próxima ao imperador. Os pretorianos tinham sua própria unidade de cavalaria, os equites singulares Augusti.

Cláudio os colocou para caçar panteras em público e matar uma orca encalhada no porto de Ostia, e Nero transformou-os em plateia para suas atuações artísticas e esportivas.

Para De la Bédoyére (Wimbledon, 1957), o momento mais sórdido da história da guarda (e de Roma) foi o leilão feito pelos pretorianos da dignidade imperial no ano 193, após o assassinato de Pértinax, que havia tentado colocá-los na linha depois que na época de Cómodo tinham se acostumado a fazer o que queriam, incluindo bater em transeuntes. “Ofereceram o trono ao melhor lance, uma oferta indigna e degradante, um dos momentos em que eles e Roma foram ao fundo do poço”. Quem comprou o trono, em ascensão, foi Didio Juliano, que durou apenas 66 dias porque não pôde pagar a quantia acertada com os pretorianos.

Com as necessidades do império cada vez mais pressionando as fronteiras, foi combinado o uso dos pretorianos como uma força de combate militar, e acompanhavam o imperador pessoalmente em suas campanhas cada vez mais frequentes (como no caso de Trajano em Dácia e Marco Aurelio em sua guerras), até se tornarem parte, embora sempre privilegiados e, portanto, invejados, do Exército regular.

Qual qualidade militar eles tinham? “Durante bastante tempo, surpreendentemente pouca”, responde De la Bédoyére. “Uma boa parte deles passava seu tempo vagando em Roma como manequins militares e espadachins, capazes de matar, mas impróprios para a guerra real. Septímio Severo renovou a guarda com legionários experientes. Infelizmente, isso os tornou ainda mais perigosos para o imperador”.

Os pretorianos posicionados para uma campanha, de acordo com a reconstrução de um jogo de computador.
Os pretorianos posicionados para uma campanha, de acordo com a reconstrução de um jogo de computador.

Pretorianos a serviço vestidos só com túnicas e armados. Relevo dos Museus Vaticano.
Pretorianos a serviço vestidos só com túnicas e armados. Relevo dos Museus Vaticano.

Quando perguntado sobre a semelhança perturbadora entre a guarda pretoriana e as SS, que também começaram como guarda pessoal e acabaram transformadas em poderosas unidades de elite dentro do Exército alemão, De la Bédoyére reconhece a semelhança, e ressalta que “sem dúvida, se Hitler tivesse vivido até ficar velho, seus rivais teriam se dirigido às SS prometendo-lhes mais dinheiro e privilégios em troca de seu apoio para se tornarem novos Führers, como na Roma antiga”.

Os pretorianos são muito incomuns. Em parte porque eram um corpo muito versátil, além de terem mudado com o tempo. Sua iconografia, seu armamento e suas roupas não são claros, o que tem permitido fantasiar muito sobre elas. “Eles eram espiões (com um ramo especial dedicado a essa tarefa, os speculatores), soldados, guarda-costas, mas também topógrafos, mineiros, engenheiros, armadores”, diz o estudioso britânico. “Faziam tudo o que o imperador precisava. Até mesmo esquadrões da morte ou parte da cenografia imperial: participando de demonstrações de poder. Cláudio colocou-os para caçar panteras diante do público e matar uma orca encalhada no porto de Ostia, e Nero transformou-os em plateia de suas performances artísticas e esportivas. Cumpriam missões em todos os lugares. Uma unidade foi até mesmo enviada para explorar o Nilo até a Etiópia, uma das aventuras mais curiosas do Exército romano”.

Em termos de aparência, “mudavam constantemente, usavam uniformes vistosos quando estavam de guarda no palácio, armaduras especialmente projetadas para eles nas paradas, e equipamentos mais funcionais nas campanhas. Mas, muitas vezes, no cotidiano em Roma, eram muito discretos, se vestiam à paisana e não eram reconhecidos se não se observasse muito de perto”.

Quando atacavam sigilosamente, usavam uma característica capa com capuz, a paenula. O autor afirma que o filme que provavelmente melhor nos mostrou os pretoriano é Gladiador, “mas também não é muito preciso”. Um aspecto desconcertante é que às vezes usavam meias.

Qual é a herança dos pretorianos? “Mostraram quão instável é a corda sobre a qual um governante autoritário se sustenta no poder”, resume De la Bédoyére. “Ele precisa de apoio para ficar lá, mas sua guarda tem que ser poderosa para dar-lhe esse apoio. E seu poder pode tornar-se maior que o dele a qualquer momento … e depois, acabou. ”

Personagens famosos

Vinio Valente, centurião pretoriano da época de Augusto, era um sansão capaz de parar um carro com uma mão. É citado por Plinio.

Sejano, conseguiu um poder onipotente com Tibério. O primeiro pretoriano que mostrou como poderiam ser perigosos. Sua inimizada significava uma pena de morte.Dião Cássio afirma que deitava com as esposas de homens relevantes para obter informação. Em sua queda arrastou toda sua família, e sua filha, Junila, ainda virgem, foi estuprada pelo executor para justificar a morte como uma mulher adulta.

Macrón, também prefeito do pretório como Sejano, foi o primeiro a participar da morte de um imperador, acelerando a de Tibério. Antes ofereceu sua mulher ao césar para que tivesse uma aventura com ela..

Cássio Quereia, assassinou Calígula após sofrer diversas humilhações e depois de o imperador o chamar continuamente em público de afeminado.

Tigelino, o algoz de Nero, cínico e dissoluto. Um verdadeiro canalha.

Gayo Vedennio Moderato. A outra cara da guarda, um pretoriano que serviu longa e fielmente durante a Dinastia Flaviana. Um bom soldado especialista em artilharia e que era um craque usando a balista.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s